Muita coisa acontecendo… E eu, novamente, despercebendo intencionalmente as conjunturas, pois o horizonte pede que os olhares foquem noutras cenas. Bem! Ainda no silêncio do período de Quaresma, sentindo-me tentado à falar um bocado, mas melhor não! Deixo a reflexão com a belíssima canção de Criolo – pra curtir e pensar crítica e politicamente esses últimos acalorados acontecimentos…
Ainda penso que muita gente só visita, quer festa e folia…
Lembrando que esse país também é uma Democracia Participativa. Cadê essa galera nas plenárias? Sessões abertas da Câmara? Nas Assembleias? Nos Fóruns? Nas Conferências? Nos orçamentos de Bairro? Nas eleições de Conselheiros Tutelares? Num exercício de cidadania e controle social sobre o que se passa na cidade? Calma na alma pra pensar essas questões…

terminatorpolitics-858748

Cartão de Visita (part. Tulipa Ruiz) – Criolo

Acende o incenso de mirra francesa
Algodão fio 600, toalha de mesa
Elegância no trato é o bolo da cereja
Guardanapos gold, agradável surpresa
Pra se sentir bem com seus convidados
Carros importados garantindo o translado
Blindados, seguranças fardados
De terno Armani, Louboutin os sapatos
Temos de galão Dom Pérignon
Veuve Clicquot pra lavar suas mãos

E pra seu cachorro de estimação
Garantimos um potinho com pouco de Chandon
Mc Lon tá portando o VIP
Thássia tem um blog de fina estirpe
Pra dar um clima cult te ofereço de brinde
Imãs de geladeira com Sartre e Nietzsche
Glitter, glamour, La Maison Creole
O sistema exige perfil de TV
Desculpa se não me apresentei a você
Esse é meu cartão, trabalho no buffet

Acha que tá mamão, tá bom, tá uma festa
Menino no farol cê humilha e detesta
Acha que tá bom, né não, nem te afeta
Parcela no cartão essa gente indigesta
(Nem tudo que brilha é relíquia, nem joia)

Governo estimula e o consumo acontece
Mamãe de todo mal e a ignorância só cresce
FGV, me ajude nessa prece
O salário mínimo com base no DIEESE
Em frente a shoppin’ marcar rolêzins
Debater sobre cotas, copas e afins
O opressor é omisso e o sistema é cupim
E se eu não existo, por que cobras de mim?

O mamão papaya cassis
Run com sorvete de bis
Patrício gosta e quem não quer ser feliz?
Pra garantir o padê dão até o edi
Era tudo mentira, sonhei pra valer
Com você, eu ali, nós dois, cê vê tê
A alma flutua, leite a criança quer beber
Lázaro, alguém nos ajude a entender

Acha que tá mamão, tá bom, tá uma festa
Menino no farol cê humilha e detesta
Acha que tá bom, né não, nem te afeta
Parcela no cartão essa gente indigesta
(Nem tudo que brilha é relíquia, nem joia)

Acha que tá bom
Acha que tá mamão
Acha que tá bom
Acha que tá mamão
Acha que tá bom
Acha que tá mamão
Acha que tá bom
Acha que tá mamão