O movimento da gangorra pesa com leveza a exatidão no tamanho das alegrias,
O grito agudo das eufóricas gargalhadas corresponde com precisão às
energias,

De quem joga com força no banco de concreto
o ursinho,
E depois de deslizar pelo escorregador o pega de volta,
com carinho.
Enquanto a outra passeia com a boneca,
no carrinho.

É assim a tarde da eternidade do parquinho.
Assopra a bolha, puxa folha, chuta areia…
Corre, sobe e desce…
Tropeça, cai e as flores crescem…

O Sol é ousado não havendo nuvens.
Ao passo que, após o almoço,
cheguei a pensar que estivesse no céu.

Distante da estação de sonho, era apenas
o sono da tarde…
Mesmo assim, ainda acho que faz parte:

Há muito de Paraíso num Playground.
Há muito de Deus nas crianças.
Sua grandeza mora nos pequenos.

image

(Ao som de Breath, Mandela Version, U2)