Tá aí uma música que vem afetando (e  muito) minhas reflexões há algum tempo. Não quero nadar, remar e morrer afogado por estar boiando nesta superfície tão rasa, cada vez mais rasteira, que conduz à besteira. Sim, pois parece que transforma humanos em bestas.  

Modos de ver, sentir e viver são cada vez mais destrutivos.

O antídoto precisa ser proclamado.

Ninguém proclama sem ação. Então, pode se dizer que sigo uma práxis transformadora, mas que antes de tudo, é edificante.

É nesta perspectiva revelada, inspiradora, edificante e transformadora que sigo…

#Partiu

Jesus respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça.A outro disse: “Siga-me”. Mas o homem respondeu: “Senhor, deixa-me ir primeiro sepultar meu pai”.Jesus lhe disse: Deixe que os mortos sepultem os seus próprios mortos; você, porém, vá e proclame o Reino de Deus.Ainda outro disse: “Vou seguir-te, Senhor, mas deixa-me primeiro voltar e me despedir da minha família”.
Jesus respondeu: Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus. [Evangelho de Lucas 9:58-62 – Grifos meu.]

Partiu

Partiu (Palavrantiga)

Não, não tem como fugir não

Põe na história o seu dom
Vai, é a hora de ir
Tua fé abriu um caminho bom
Siga agora o teu sonho, vai
Se essa é a sua dor, põe sobre ela sorte
Todo o teu amor que você lhe escondeu, vai

Partiu, foi embora
Sem mais desculpas
Se libertou
E partiu, foi pra rua
Sem mais desculpas

Um mundo inteiro ouviu você
Tão perto o amor sincero

Não, não tem como fugir não
Põe na história seu dom
Vai, é a hora de ir
Tua fé abriu um caminho bom
Siga agora o teu sonho, vai
Se essa é a sua dor, põe sobre ela sorte
Todo o teu amor que você lhe escondeu, vai

Partiu, foi embora
Sem mais desculpas
Se libertou
E partiu, foi pra rua
Sem mais desculpas
Um mundo inteiro ouviu você
Tão perto o amor sincero