Certamente, pessoas cheias de si são vazias. As tais se acham por aquilo que possuem, pelo modo de ser, de agir e por supostamente, pensarem…

Elas desdenham do caranguejo pelo fato de subentenderem que andar pra frente é sinônimo de sabedoria.

Este grupo nunca erra! Parece que todas as ações e decisões tomadas conduzem ao amadurecimento. A culpa? Inexiste! Na terapia, a devolutiva é a seguinte: o importante mesmo é seguir a vida e cuidar da autoestima…

Já mordeu uma bela maçã e após a primeira mastigada sentiu aquele gosto podre? É justamente essa sensação que encontro na pessoa “sem noção”.

Sim, gente orgulhosa é sem noção!

Moram a vácuo numa casa trancada com portas e janelas fechadas…

Comparam a luz e o calor de uma lâmpada ao Sol, e insistem que não precisam dele.

Rejeitam a chuva porque a comida que pedem sempre chega por delivery e o purificador de ar, contempla o que uma boa garoa traria ao resto da população — menos as orgulhosos! 

Não precisam de oceanos, mares, rios e cachoeiras. A conta de água está paga. Assim, tem água na torneira, no chuveiro e na mangueira – para encher a piscina de 1000 litros. Pois até mesmo os orgulhosos têm seus momentos de lazer.

Já desejei que o Sol, a Chuva e o Mar – virassem as costas para o povo orgulhoso. No entanto, logo concluí que os bens comuns são para todos.

Sugiro que a expressão “Poço de Orgulho” seja imediatamente substituída por “Fossa de Orgulho”. Poço é uma cova funda aberta no solo e que possibilita o acesso à água. E água, sem dúvida é o elemento mais precioso desta Terra. Ao contrário, Fossa, remete a uma cavidade subterrânea onde se despejam dejetos. E o orgulho não passa disso:

Dejetos internos aglomerados na fossa da alma.

Pensei em iniciar um projeto e fundar a A.O.A – Associação dos Orgulhosos Anônimos. A grande questão é saber se a orgulhosa e o orgulhoso frequentaria os encontros. Os eixos teóricos-metodológicos e ético-morais estariam ancorados em virtudes como arrependimento e humildade – virtudes esquecidas na retardada era pós-moderna.

Preciso confessar que já tive aversão de gente orgulhosa. Hoje, tenho pena destas pessoas…

Existe algo que os orgulhosos precisam. Ainda que neguem. Eles carecem do Sol, da Chuva, da Àgua, do par de ouvidos do outro, de mãos e braços alheios para lhes abraçarem. A pessoa orgulhosa precisa de amor. Ela erroneamente nomeia o orgulho que sente si mesma, como amor próprio.

Pobre pessoa perdida nela mesma…

Primeiro vem o orgulho, depois, a queda – quanto maior é o ego, maior é o tombo. (Provérbios, 16.18 – A Mensagem)