Fonte: Video Adoração

Hoje, passei a noite ao lado de um casal, da qual possuo imensa admiração. Especialmente, pela pessoa da noiva, que me conhece desde pequeno, encapou meus cadernos e tudo mais…

Faltam menos de 10 dias para a cerimônia. Fiquei desmesuradamente honrado pelos noivos confiarem todo o set list de sua festa de casamento ao meu singelo paladar musical…

A sensação de presenciar cada momento de alegria daquelas duas pessoas tem contagiado minha vida, meus dias, minha semana… Com isso, tem fortalecido algumas convicções e vem (re)direcionando meus pensamentos sobre muitas questões. Sobretudo, no que diz respeito ao Amor e suas ações e intenções.

Não poderia ir dormir sem me alimentar do texto de I Coríntios 13. Sei que é um texto conhecido por muitos, sejam cristãos ou não. E mesmo assim, muitas vezes é visto (até mesmo por cristãos) apenas como uma linda poesia. Mero equívoco! Muito mais que um poema, é realmente uma passagem desafiadora…

Nas escrituras, Paulo traz uma concepção de amor[i] muito diferente do tipo de “amor” pelo qual a cidade de Corinto era famosa. Acima de Corinto, no morro de Acrópolis ficava o templo de Afrodite, que era a deusa do amor. Sacerdotisas trabalhavam no templo em tempo integral, supostamente “purificando” os homens do pecado por meio das orgias e atos sexuais…

De fato, era desafiador amar a luz do ensinamento do Apóstolo Paulo, que apresenta no texto, posições radicalmente contrárias entre o amar em Cristo e o “amor” de Afrodite.

Sobre qual amor amamos?

Se for sob a égide da deusa Afrodite, entenderei. Até porque a lógica ocidental segue essa via. É sinal de fraqueza amar uma única pessoa. O homem que assim o faz, parece ser cafona. Os comerciais de cerveja, os reality shows e as músicas estão aí pra comprovar.

Valores como: Confiança, Fidelidade, Perdão e Arrependimento, são virtudes esquecidas – ou completamente desacreditadas em nossos dias. Importa como “Eu me sinta, o que Eu pense, e dane-se o outro” – reflexo de um super ego ou de passos que caminham distantes do caminho da cruz?

Agora, se a decisão é seguir sob a perspectiva bíblica, bem vind@! Estamos na contracorrente, inseridos em condição de contracultura. E assim como a carta de Paulo teve seu significado para os cristãos daquela época, ressalto que a passagem de I Coríntios 13 é mais que um poema: seu conteúdo representa um legado de fé, e com certeza, a maior prova de fogo –  e também de amor que possa existir.

Finalizo reproduzindo a seguir a passagem de I Coríntios 13.1-7 (da Bíblia A Mensagem)

“Se eu falar com eloqüência humana e com êxtase própria dos anjos e não tiver amor, não passarei do rangido de uma porta enferrujada.

Se eu pregar a Palavra de Deus com poder, revelando todos os mistérios e deixando tudo claro como o dia, ou se eu tiver fé para dizer a uma montanha: “Pule!” e ela pular e não tiver amor, não serei nada.

Se eu der tudo que tenho aos pobres e ainda for para a fogueira como mártir, mas não tiver amor, não cheguei a lugar algum. Assim, não importa o que eu diga, no que eu creia ou o que eu faça: sem amor, estou falido.

O amor nunca desiste.

O amor se preocupa mais com os outros que consigo mesmo.

O amor não quer o que não tem.

O amor não é esnobe,

Não tem a mente soberba,

Não se impõe sobre os outros,

Não age na base do “eu primeiro”,

Não perde as estribeiras,

Não contabiliza os pecados dos outros,

Não festeja quando os outros rastejam,

Tem prazer no desabrochar da verdade,

Tolera qualquer coisa,

Confia sempre em Deus,

Sempre procura o melhor,

Nunca olha pra trás,

Mas prossegue até o fim.

* Compartilho também este som, do Bola de Neve…

Aos noivos, Adriana e César

[i]  Baseado no amor ágape, na unidade da igreja, no Ser e glorificar a Deus por amor como um corpo, no sofrer por amor a causa de Cristo.  No entanto, não teria condições de explorar a idéia neste post. Teremos próximos…