Os trechos abaixo, são de textos que já escrevi sobre os finais de ano e as sensações que foram vivenciadas  e que ficam imprimidas nos escritos… De algum modo, são meus registros, meu álbum de fotografias favorito… A Poesia!!!

Neste ano de 2012, agradeço aos meus amigos e amigas,  aos novos e os que vem chegando, pela companhia, apoio e suporte em tantos episódios… Sem vocês, seria completamente diferente… Grato é pouco, em relação ao que tanto fazem…

Não poderia deixar de dedicar este texto à minha mãe, Marilene! Por Deus! Como somos parecidos mãe! Seu lado mais-que-melhor amiga, tem muito me amparado sempre… No entanto, nestes dias… ressignifiquei minhas convicções porque sou seu filho…
Amo muito você!!!

Ao José Fernandes (Zé), pelas experiências injetadas…

E, Patrick pelo carinho demonstrado em almofadadas… rsrs

Então, compartilho os retalhos de meus pensamentos e tomara que sirva pra alguma coisa… rsrs

Beijos e Abraços,

Amo vocês!

Vi______________________________________________________________________________________________________

Na verdade e, em verdade preciso mesmo agradecer vocês por mais este ano que passamos juntos. Obrigado por aqueles períodos de alegria, tristeza, lazer, comidinhas e bebidinhas, reflexões, devocionais e conversas com Deus… 

Celebrem, Declarem, Desfrutem, Festejem, Orem, Sonhem, Realizem-se… 
(Carta Aberta pra Fechar 2010)

============================================================================================

Treze minutos para escrever sobre os (quase) doze meses do ano. Não é fácil! Vários planos! Talvez um ensaio para o que não fora atuado. Repensando o que (ainda) não foi projetado. Nunca lamentando, mas refletindo sobre o que pode(rá) ser aplicado…

A cena continua… Numa saga que consome continuamente, a cada milésimo, o que há de mais precioso, naquilo que não existe valor e nem mesmo com toda a exploração da mais valia, seria possível comprar…

A vida! Prosseguimos com o presente de poder vivê-la no tempo presente! Até porque, não haverá ontem que possa trazê-la de novo amanhã. Entretanto, sabe-se que é possível todo dia tornar visível o quanto gostamos disso ou nos indignamos com aquilo…
(Treze minutos sobre os (quase) doze meses)

============================================================================================

A vida tem passado, e não tenho esquecido o meu passado, que me deixa inconformado, por saber que não viverei nunca mais, estes momentos de hoje. E se o passado me deixa inconformado. O futuro então… As expectativas são enormes!
(A vida tem passado) 

============================================================================================

Aproxima-se o último dia do ano… A sensação que se tem, é oriunda de tudo aquilo que fora vivido há dias, semanas e meses atrás. Trazendo à memória todas as lembranças (boas e ruins), e a partir das mesmas, refletimos e nos “autoavaliamos”, apreendendo na maioria das vezes, apenas os acontecimentos que mais marcaram, se esquecendo dos bastidores e dos trezentos e sessenta e poucos dias que sobram…
Os dias foram feitos para nós ou nós fomos feitos para os dias?
(O início do texto de final de ano) 

============================================================================================

Alongar momentos não atrofia a vida!  “Vid’Alonga”
(Série Pensamentos)

============================================================================================

Más lembranças, mas lembranças!
(Série Pensamentos)

============================================================================================

Bebo a vida, como se fosse em goles sedentos, que satisfazem a garganta ao encontrarem-se com a água. Seja ela morna, barrenta, mineral…  mas essencial para o suprimento vitalício…

Ainda que insípidos, inodoros ou incolores, os momentos são os goles que satisfazem as sensações na caminhada. Sejam reais, ilusórios, imaginários, expectativos… Nutrientes verdadeiros para alimentar uma vida que parece Fantasia… Por ser fantástica e de poesia…
(Planos do garoto/homem de 21 anos)

============================================================================================

A poesia está com sono, não quer acordar… Já dorme há algum tempo. O cenário belo do espetáculo da vida, mudou de cena. Tornou-se uma sina que bagunçou o roteiro, trocou o papel das personagens.
(Série Pensamentos) 

============================================================================================

Autonomia pra pintar a própria Tela. Poder Extrair de uma Aquarela… Inspirado por ninguém mais que ela… Sim! A vida é bela!
(Série Pensamentos)

============================================================================================

Um garantido ateliê
Deixa as obras restauradas
Quem escreve, pinta ou vê
Haja, nestas temporadas

(do poema, Galeria de Quadros Reais)

============================================================================================

Sim, sorrisos alimentam!
E, Lágrimas, manutenção.
Há faces que fomentam,
Enxergar com o coração.

(do poema, Resiliência)

============================================================================================

Invisibilidade das expectativas
Transcende compreensões teologais
Agraciado a quem crê na vida
Aquém e além das causas naturais.

(do poema, Fé)

============================================================================================

Sono…
Ficou desregulado!
Sonho!
Mesmo, estando acordado!

(do poema, Futuro presente pra vida inteira)

============================================================================================

Sou ainda criança? Tenho a esperança de ser! Antes podia sonhar, sem que a realidade se intrometesse e intervisse, acordando-me. Durmo pensando, acordo sonhando, e lutando pra que não fiquem desanimando…
Por inúmeras vezes a realidade é tão daltônica e sem graça, que faz questão de borrá-los , e descolorir cada gota que anseio que faça parte, ao menos um pingo; da minha aquarela.
(Escritos Diários, dia das crianças)

============================================================================================

Sou nutrido pelo seu carinho,
Seu olhar que me enxerga aflito,
Seu jeito amigo, não me deixa sozinho, 
Por sua Culinária? Sou surpreendido!

A maior virtude que tem,
Encontra-se  em seu coração perene.
E o Vinnícius já a têm.
Pois aprendi com você: Marilene.

(do poema, Mãe: a minha)

============================================================================================

Bem… Novos períodos virão… Novas Cenas… Novos Poemas… 
Obrigado por fazerem parte deles, pois vocês são parte de mim.

Feliz 2012.