Ao contrário da grande maioria da população estudante que ainda desfruta das merecidas férias no mês de julho, nossa turma do curso de pós-graduação, seguiu direto, sem nenhuma semana de descanso.

O conteúdo da disciplina é profundamente interessante e sem dúvidas, extremamente importante. Contudo, tenho a sensação que o fluxo de informações apreendidas sob as correntes teóricas das diversas  fontes racionalistas, acionam um “Senso Acadêmico”, este avesso ao Senso Comum (tão criticado por alguns). Com este Senso Acadêmico, idéias – reflexões – respostas – são rapidamente sintonizadas e em alguns momentos, o que era pra ser um simples bate papo com amigos, pode se tornar um debate, comparado à defesa de uma tese.

Desarmado de conceitos, meu reflexo desvenda o enigma, desmascara o aparente, respondendo descaradamente: que nada sou!

Diante disso, a música Vem me socorrer da banda Palavrantiga , tem sido repertorio das minhas orações nestes dias…

Palavrantiga – (Vem me Socorrer)

Não tenho um tom
Não tenho palavras
Não tenho acorde que
Me socorra agora
Tudo foi embora
Só tenho você

Havia um silêncio
Que mostrou os meus vícios
Me agarro contigo
Vem me socorra agora
Tudo foi embora
Só tenho você amor
Agora

E essa não é mais uma canção de amor
Não, não, não

Eu canto pra ti
Sei onde estou
Olhando pra mim posso saber
Que nada sou

Eu grito pra ti oh Deus
Vem me socorrer
Olhando pra mim posso saber
Que nada posso fazer

Por vezes, é necessário despojar do que já se sabe, para aprender um pouco mais.