CracolOuvi dos craques, mas aprendi com os do “crack”
                                    (2008)

Sem comentários nesta semana,
Desculpa Flor, não deu pra ir no Show,
mas o espetáculo foi a missão urbana,
que vivi pleno o dia do Rock n’ Roll.

Nas manhãs, palestras com os craques,
do ministério de esportes,
À noite, exposição do CRACK,
Ao chamado, me deu suporte…

Pra ir contra a cena insuportável,
daqueles usuários perdidos,
Colorir o quadro desfavorável,
rumo aos corações sem sentido.

fiquei feliz pelo semblante triste
das pessoas excluídas, que foram escolhidas,
que segue firme e não desiste,
e mesmo separadas, estão Unificadas…

Por um mesmo motivo,
continuam no que já parece Finito.
Seguindo um estranho objetivo,
falar sobre um “Cara Esquisito”.

Aos olhos humanos,
impossível de ver.
Aos cidadãos urbanos,
necessário crer…

pois na procura de muitos,
achará apenas um pouco,
e destes alguns, um bocadinho deles,
se encontrarão.

Sigamos então…
vivendo Aflições…
mas Desistir, Não!
não, de MISSÕES…

13/07/08  23.59h (o treinamento de missões na cracolândia, me trouxe a viagem deste texto. Pois nunca tinha encontrado, tantos humanos perdidos!)
Avessos

Consegui me achar em lugar que parece estar perdido…
mas está no meio de tudo isso…
Aprendi com usuários de crack…
que na partida da vida, falta muito pra ser Craque. 

(À Line, uma grande amiga que ama este trabalho – digo eu “chamado”)