Vítimannícius

Em mínimas palavras há certos acontecimentos que parecem nos seqüestrar os pensamentos e, momentos que nos roubam a calma, principalmente pela indignação que fica alojada no cativeiro das idéias, quando nos subtraem coisas que de uma maneira ou outra, fazem parte ou são acessórios da vida…

Estava eu, todo feliz e ansioso. Feliz pelo domingo recreado e significativo, pela companhia e programação do dia. Ansioso pela saudades “claro”, mais a palestra que em breve iria assistir por : “Marilena Chauí com o tema: O direito em Spinosa”.
Durante o percurso, decidi, passar no supermercado para comprar algo…
Até que, guardei a mochila no guarda-volumes (acho que pra isso é que servem né?), após feitas as compras… Não havia mais mochila! Art 155

Boletim de Ocorrência 17 DP:

”Relata a vítima que nesta data, compareceu ao supermercado “O DIA”, estabelecido na rua Dr. Gentil de Moura, proximidades com o Metrô Alto do Ipiranga, oportunidade onde passou a importância de R$ 1.00 em moeda para poder deixar seus pertences em um compartimento próprio, e após guardar seus objetos no Box nº15, retirou a respectiva chave e foi realizar suas compras, que se relacionaram a dois iogurtes, um salgadinho e uma goiabinha. Ao passar pelo caixa, visualizou que a porta do porta objetos nº15 estava entre aberta e após pagar suas compras e aproximar-se do local, deparou-se com a porta realmente aberta e sem os seus pertences, constatando que haviam sido furtados.
.
A vítima dialogou com o funcionário daquele mercado e diante a informação que não poderia ter ressarcido seu prejuízo, apesar de saberem que deixou guardado seus objetos em local apropriado do mercado, não obteve êxito em sua reclamação, registrando ocorrência a respeito. Salienta que inclusive está de posse da tal chave que abria o box nº15, para comprovar que lá esteve e deixou guardados seus pertences (…)

O que mais sentirei falta, além da mochila, chaves, o celular com as músicas, fotos, videos e mensagens, Minha Agenda, Dois cadernos especiais de Sociologia e Filosofia, o livro “A Cabana” – que mal, começara a ler, e minhas canetas de escrever textos e afins…

 É fato que apesar de tudo, notei que “ganhei por ter perdido”! Após registrar a ocorrência na 17ª DP. no Ipiranga, decidi não perder o domingo somente por terem levado meus pertences. Cheguei atrasado na palestra da Chauí sobre o “DIREITO em Spinosa” e, isso sem dúvidas só me adiantou o lado!!! Entre a Razão e a Paixão, o Direito natural, a Alegria e a tristeza, a “paixão da alegria foi sim mais forte, conforme os temas abordados, além do domingo, que com ou sem ocorrências registradas foi muito bem acompanhado! rsrs

Com o conteúdo da palestra junto ao meus pertences subtraídos + o ótimo domingo, pude apreEnder que:

§ “Há certos valores que são encontrados apenas quando furtam coisas que nem valem tanto assim” Vítimannícius (Art. 155 Furto) C.F

 

28/06/2009